As 5 missões mais incríveis da Nasa que nunca saíram do papel



Nesta terça (3), o programa espacial americano completa seu centenário. Em 1915, o governo americano criou a Naca (National Advisory Committee for Aeronautics), agência que seria o embrião da Nasa, fundada em 1958.

Com apenas 11 funcionários (atualmente, a Nasa tem 3 mil empregados diretos), a Naca surgiu com a intenção de acelerar o desenvolvimento de aeronaves nos Estados Unidos, naquela época muito atrasado em relação aos países europeus. Difícil acreditar que, apenas 54 anos depois, o pequeno escritório levaria o homem à Lua.

Cem anos depois, o programa espacial americano gastou 800 bilhões de dólares com a exploração do espaço. Desde a corrida espacial com os soviéticos nos anos 1950 e 1960 até os atuais planos de levar naves tripuladas até Marte, como a agência planeja fazer até meados deste século, a agência americana é sinônimo de inovação e ciência pura.

Nas últimas décadas, porém, a Nasa passou por um processo de contenção de gastos, matando muitas ideias sensacionais antes mesmo delas começarem a ser desenvolvidas. Para comemorar o centenário do programa espacial americano, conheça as cinco missões mais incríveis, mas que nunca aconteceram, da agência:


Reprodução
1. Caminhão lunar

Durante as missões Apollo, alguns cientistas na Nasa desenvolveram planos para enviar missões mais longas ao satélite, com a intenção de explorar e estudar a superfície lunar.

Em 1963, a Nasa entrou em contato com a General Motors para a montadora fabricar um laboratório-dormitório sobre rodas, no qual os astronautas poderiam morar e trabalhar durante sua estadia na Lua.

Porém, após o desinteresse gerado pelas últimas missões da Apollo, os planos para estadias mais longas de astronautas na Lua foram cancelados.


Reprodução
2. Colônias Espaciais

Ainda durante o frenesi das missões Apollo, a agência espacial americana também cogitou ideias para a construção de colônias espaciais, instaladas em estações na órbita da Terra. Um estudo da Nasa de 1975 projetou um "habitat espacial onde 10 mil pessoas trabalhariam, criariam filhos e teriam vidas humanas normais".

As estações usariam a força centrífuga para simular a sensação de gravidade, como a nave do filme Interestelar. Os habitantes usariam terra trazida da Lua para cultivar seus próprios alimentos, purificar a água e teriam a disposição parques, lojas, escolas e hospitais. O projeto, porém, nunca saiu da prancheta.


Divulgação
3. Sobrevoos em Marte e Vênus


Também em 1975, a Nasa estudou o lançamento de uma espaçonave semelhante à Apollo, que levaria uma tripulação de astronautas para um rápido sobrevoo em Marte.

A jornada até lá iria durar dois anos. Quando os astronautas estivessem próximos do planeta vermelho, enviariam uma sonda que coletaria rochas, e então voltariam a Terra.
Uma segunda missão faria astronautas realizarem um rasante duplo, aproveitando o alinhamento da Terra com Marte e Vênus. A espaçonave passaria por Vênus, iria até Marte, e voltaria a Vênus novamente.

O plano foi extinto após o congresso americano cortar boa parte do orçamento da Nasa, após o sucesso (e o posterior desinteresse público) das missões Apollo.



Reprodução
4. Projeto Longshot


Em 1987, pesquisadores da Nasa e da Marinha dos Estados Unidos criaram o projeto Longshot, no qual uma sonda interestelar viajaria até Alpha Centauri B, uma das estrelas mais próximas do Sol.

A espaçonave seria motorizada por um propulsor a fissão nuclear e enviaria as informações coletadas de volta a Terra por meio um raio laser. A jornada até a estrela iria demorar 100 anos, caso a sonda viajasse a mais de 13 mil km/h.

Mas a ideia nunca deu certo. Além da Nasa não ter as tecnologias disponíveis para o motor nuclear, o congresso americano indicou que jamais aprovaria uma missão de 100 anos.

Atualmente, o objeto que está mais distante da terra, a sonda Voyager 1, está a 19 bilhões de quilômetros do planeta, menos de 0,2% do caminho até Alpha Centauri B.



Reprodução
5. A sonda Titan Mare Explorer


Em 2009, a Nasa definiu que iria enviar uma sonda para explorar a superfície de Titã, a maior lua de Saturno, que é coberta com lagos repletos de metano líquido.

O Titan Mare Explorer seria equipado com um gerador nuclear de plutônio, aumentando o tempo de vida útil e diminuindo a energia consumida pela sonda.

A falta de dinheiro foi novamente a principal causa para o encerramento da missão. Em 2012, o projeto foi adiado por ser caro demais para o orçamento da agência e, no ano seguinte, cancelado após a Nasa desistir de construir o gerador nuclear.

Em janeiro, a agência espacial americana anunciou que planeja enviar um submarino para explorar os lagos de Titã, possivelmente na década de 2020.

Postar um comentário

DÊ SUA OPINIÃO, COMENTE ESSE POST.

Matérias Recentes ▼

Navegue pela Data e encontre as Matérias em Ordem Cronológica

©Copyright 2011-2019 +MMS. Contatos: contato@mundoms.com Powered By: Mundo MS