Tweetar Post/Página

Aplicativo ajuda a mapear assédio contra as mulheres

ponsulak/Thinkstock
Assédio Zero: aplicativo mostra onde o risco de violência é mais frequente

A Microsoft, em parceria com o Catraca Livre e o Instituto Eldorado, desenvolveu um aplicativo que ajuda a denunciar os lugares onde o risco de violência contra a mulher é mais frequente. 

A ideia veio em resposta ao caso de uma adolescente de 16 anos que foi estuprada por um grupo de homens no Rio de Janeiro. A repercussão do caso turbinou o debate sobre a violência contra a mulher.

Quem acessa a ferramenta Assédio Zero vê um mapa de calor mostrando onde são os pontos mais violentos de cada região. 

Divulgação
Para preservar a identidade das usuárias, o aplicativo não exige nenhum tipo de cadastro. Basta apenas posicionar o marcador no mapa e selecionar o tipo de agressão – verbal ou física. 

Divulgação
Em maio deste ano, em prol da 20ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a Microsoft lançou outra iniciativa para contribuir com o combate à violência.

A ferramenta Espaço Livre traça um mapa da homofobia a partir de denúncias de agressões contra gays, lésbicas, bissexuais e transsexuais.

Outros aplicativos caminham para ajudar na luta contra o assédio. O "Sai Pra Lá" foi criado no ano passado por uma adolescente de 17 anos. A ideia também é registrar o endereço onde o assédio ocorreu, o período do dia e o tipo de assédio que foi feito. 

Já o "Agentto" funciona como um sistema de alarme interligado a uma rede de 12 pessoas. Em termos práticos: em caso de violência, ele envia um pedido de ajuda e a sua localização para amigos ou familiares.

Compart

Por: Multimidia Info

Navegue pela Data e encontre as Matérias em Ordem Cronológica.