Tweetar Post/Página

CHEVROLET CAMARO X NISSAN GT-R X PORSCHE 911 EM BRIGA DE GRANDES

Versões Z28, Track Edition e Turbo S em uma batalha épica na pista

por JONNY LIEBERMAN, DA MOTOR TREND (NYT SYNDICATE)

CHEVROLET CAMARO Z2, NISSAN GT-R TRACK EDITION E PORSCHE 911 TURBO S (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

Nem em um milhão de anos. Se você voltasse o calendário para 2009, nem em um milhão de anos eu acreditaria que estaria escrevendo uma reportagem onde um Camaro seria mencionado na mesma frase que um Nissan GT-R ou um Porsche 911 Turbo S.

Lembro-me claramente da primeira vez que dirigi um GT-R muito bravo por ter trombado com uma matilha de duas Ferrari F430s, uma 355 Spyder, uma BMW M6 e um Dodge Viper nos desfiladeiros próximos a Los Angeles. Após alguns quilômetros, ficou claro exatamente quem estava dirigindo o supercarro dominante. (Dica: Eu!) Da mesma forma, sempre me lembrarei da primeira vez que sentei ao volante de um Porsche 911 Turbo S, porque, sempre que eu olhava pra baixo, o velocímetro dizia que eu estava a 184 km/h. E nunca me esquecerei de minha primeira dose do Chevrolet Camaro SS de quinta geração, com a plataforma Zeta, porque foi a única vez que passei reto na curva três do circuito Streets of Willow. Que carro terrivelmente ruim! Mesmo assim, cá estamos nós. É sério, meus amigos, colocamos o novo Camaro Z/28 para pelejar contra o 911 Turbo S e o Nissan GT-R Track Edition.

Os números do teste


A Chevrolet decidiu lançar o Z/28 no impressionante Barber Motorsports Park nos arredores da cidade americana de Birmingham, Alabama, com uma condição das melhores: Traga junto qualquer carro que quiser. Para esse comparativo, inicialmente queríamos ter em mãos o novo Porsche GT3 e o GT-R Nismo 2015. É triste, mas o Nismo não estará disponível ainda por um bom tempo e o GT3 (aparentemente) ficou preso em um barco, mas a Nissan teve prazer em nos fornecer um GT-R Track Edition 2014.

Após ligações e e-mails tensos, a Porsche finalmente liberou um 911 Turbo S 2014 novinho.
PORSCHE 911 TURBO S (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

Já conhecemos o GT-R Track Edition, filhote de Godzilla que carrega um V6 3.8 litros que rende 552 cv e 64 kgmf de torque. O novo Turbo S é (de alguma maneira) ainda mais potente, com seu motor 3.8 boxer de seis cilindros reunindo impressionantes 568 cv e 71,3 kgmf. Porém, há um modo overboost entre 2200 e 4000 rpm que permite ao Turbo S gerar 76,5 kgmf de torção no eixo por curtos períodos. O Z/28 é equipado com o conhecido e fantástico motor LS7 da GM tirado diretamente do Corvette Z06, um V8 de bloco pequeno 7.0 litros com válvulas acionadas por varetas que produz 512 cv e 66,5 kgmf.

Olhando apenas os números, pode parecer que a Chevrolet trouxe um revólver pra uma luta de bombas. Qual é o tempo do Z/28 no quarto de milha? “Não sei, nós nunca testamos”, diz Al Oppenheiser, o sétimo engenheiro-chefe do Camaro na história da GM. Estamos falando da droga de um Camaro que a Chevrolet afirma nunca ter pensado em testar numa pista de arrancada. Hã? Por quê não? A Chevrolet diz que o Z/28 foi desenvolvido com uma missão em mente: autódromos. Nós podemos reportar que o Z/28 vai de 0 a 96 km/h em 4 segundos e rasga o quarto de milha em 12,3 segundos a 188,6 km/h. Números impressionantes, até você se lembrar que seus oponentes de tração integral são dois dos veículos com maior aceleração na história do automóvel.

CHEVROLET CAMARO Z28 (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

O Godzilla é, adequadamente, um monstro que atinge 96 km/h em furiosos 2,7 segundos antes de nocautear o quarto de milha em 11 segundos cravados a 201,3 km/h. Por incrível que pareça, o 911 Turbo S é (de novo, de alguma maneira) ainda mais rápido, chegando aos 96 km/h em embasbacantes 2,6 segundos e se juntando à elite suprema ao dizimar o quarto de milha em 10,9 segundos a 199 km/h. Algumas observações sobre aceleração: O 991 Turbo S na verdade não é mais rápido do que o 997, cuja geração anterior atingia 96 km/h em 2,7 segundos e corria o quarto de milha em 10,9 segundos a 205 km/h. Essa diferença de 6 km/h é significativa. Além disso, em relação aos tempos de 0 a 96 km/h, pode ser que estejamos atingindo uma barreira da física, já que o Bugatti Veyron de tração integral, com seus mais de 1000 cavalos, atinge 96 km/h em 2,5 segundos, o que continua sendo o carro de linha mais rápido que já testamos. Ainda assim, não nos surpreende que tanto o GT-R quanto o Turbo S tenham detonado o Z/28 em linha reta. Oras, a Chevrolet nos disse para trazer qualquer carro.

NISSAN GT-R TRACK EDITION (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

Na estrada

Nós também trouxemos um amigo. Carlos Lago e eu nos encontramos com o sulista Randy Pobst, nosso piloto profissional favorito. Geralmente, apenas jogamos Randy na pista e nos maravilhamos enquanto ele faz sua mágica acontecer. Desta vez, levamos Randy junto também para a parte rodoviária da reportagem. Nós três rumamos norte para uma estrada particularmente bela – dica de Frank Markus, nosso diretor técnico – e fizemos miséria com três dos melhores carros que se pode imaginar. Surpreendentemente, todos gostamos menos do GT-R. Em parte devido a como ele é impiedosamente rudimentar. Seria de imaginar que o Camaro seria o carro com pior comportamento dos três. Ou o mais barulhento. Ou o mais desconfortável. Só que não. Esse troféu está na estante do GT-R. Pela vigésima vez, que barulhos são aqueles? Já ouvi impressoras de jornal com menos uivos mecânicos. Para ser justo, a Nissan não apenas tem consciência do problema, mas afirma ter lidado com o conforto e aura traumática em geral no modelo 2015.

Infelizmente, assim como o Nismo, esse carro não estava pronto para o teste.

Também não nos empolgamos com sua condução. No quesito carros, o GT-R é totalmente, magnificamente impressionante. Se alguém um dia lhe der as chaves de um, agarre-as e não solte. Mas, na amostragem desse comparativo, o GT-R ficou em último na estrada. Segundo Pobst, “Ainda uma fera imponente com travas nas quatro patas. A suspensão firme é rápida e comedida. Comedida demais, na minha opinião. A experiência eletrizante é amenizada por muita saída de frente e uma trilha sonora de aspiradores de pó.”
CHEVROLET CAMARO Z28 (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

O segundo lugar não foi unânime. Transparência total: Carlos não queria o 911 Turbo S neste comparativo. Ele realmente estava torcendo pelo GT3. E ele tem razão, um bólido feito para as pistas teria feito mais sentido do que um rei da autobahn vestindo couro. Mas nós o vencemos no voto. Eis o que ele disse: “Para mim, e difícil colocar o Turbo S nesse grupo porque seu foco é mais amplo do que o do Z/28 e GT-R. Ele pode andar na neve, tem controle automático de velocidade e outras características de um carro de passeio, como assentos climatizados.” Carlos também ressaltou que, enquanto o Z/28 roda com hiperagressivos pneus com vida-últil de 9.500 km (falaremos mais dos pneus na próxima seção), o Turbo S calçava pneus com vida-útil de 35 mil km. Apesar disso, Carlos votou no 911 como o melhor na estrada. Randy e eu o consideramos o segundo. Ele é mais rápido que um raio e se comporta incrivelmente bem. Mas há um quê faltando quando ele é comparado lado a lado com o Z/28. Calmo demais? Fácil demais. Alguma coisa demais. A bem da verdade, em termos de comportamento dinâmico, o 991 Turbo S representa um grande avanço em comparação ao 997.

Outra revelação, se me permitem. Já ouviram falar do vórtice polar de 2014? Fomos massacrados por ele no Alabama. As temperaturas estavam próximas de 0 °C durante toda a viagem, pouco mais, pouco menos. O Z/28 calça enormes pneus Pirelli P Zero Trofeo R 305/30R19 nas quatro rodas. Eles são basicamente os pneus mais esportivos que você pode encontrar em um carro de rua e a Chevrolet afirma ter projetado o Z/28 em torno dos Pirellis. É preciso aquecê-los bastante até que funcionem como desejado.

NISSAN GT-R TRACK EDITION (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

Carlos sobre os pneus: “Claro, rodamos nas piores condições possíveis, mas me preocupa a forma como o Z/28 se comportou com pneus frios. Em nunca consegui confiar neles frios. Eles melhoraram muito depois que aqueceram Gostaria muito de dirigir um Z/28 em clima mais ameno.” Eu não tive problemas com os pneus do Z/28 (exceto por um pedaço de asfalto congelado!) e talvez meus instintos sejam assim, mas o carro que Randy e eu levaríamos pra casa depois do passeio na estrada é o maldito Camaro. Transmissões de embreagem dupla, aderência de tração integral que o permite saltar de curvas e motores biturbo produzindo potências gigantescas são muito divertidos. Mas, após dirigir as três máquinas em seguida, o câmbio manual, o chassis de tração traseira e o V8 naturalmente aspirado estamparam o maior sorriso em meu rosto. No de Randy também. É nesse ponto da reportagem que você grita: “Mas, tipo assim, essa é só sua opinião, cara!” Tem razão. Que bom que trouxemos o Randy.

Randy na pista

A pista estava um pouco molhada porque havia chovido a noite toda. O Nissan foi o primeiro a correr e, após quatro voltas lançadas, o melhor tempo de Randy no circuito de 3,86 km foi 1m32s45. Em seguida, foi a vez do potente Porsche, e ele marcou um tempo ainda melhor de 1m36s34, batendo o GT-R Track Edition por 0s11. Finalmente, foi a vez do Camaro brilhar, mas o melhor que Randy conseguiu arrancar foi 1m37s28. É isso aí. O Camaro Z/28 perdeu para o insano Nissan e a aberração alemã. O Chevrolet lutou bravamente, mas os Estados Unidos, ao que parece, simplesmente não têm chance.

PORSCHE 911 TURBO S (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

Brincadeirinha!

Acontece que os pneus estavam com a calibragem errada. Depois de baixar 6 psi por roda, Randy voltou à pista e tirou mais de um segundo de sua volta. Sim, amigos, apesar de ter menor potência, uma antiquada transmissão faça-você-mesmo e apenas tração traseira, o Camaro Z/28 cravou o tempo de 1m36s17, derrotando o Porsche por uma margem maior (0s17) do que o Turbo S teve sobre o Godzilla (0s11). Cheguei a esse comparativo achando que o Z/28 seria absurdamente bom, mas que, ao final do dia, não tão talentoso ou ligeiro quanto o Nissan ou o Porsche.

Como é possível? Porque, em vez de proteger o Corvette – digamos, da forma como a Porsche protege o 911 do Cayman –, a Chevrolet deu carta branca à equipe do Camaro para construir o melhor Z/28 que pudessem. Se você avaliar cada parte do carro, ele é um carro de corrida para as ruas. Ele tem bancos-concha Recaro, bielas Pankl, pistões Mahle, freios de carbono-cerâmica Brembo (co-desenvolvidos e compartilhados com o futuro Z06) e amortecedores DSSV Multimatic. Mas não se trata apenas de uma coleção de peças de grife e o Z/28 não é um carro de tuning. Ele é um dos absolutamente melhores carros para pistas do mundo. Um engenheiro do Camaro percorreu o circuito de Nürburgring Nordschleife (onde o Z/28 foi desenvolvido) em 7min37s47 na chuva. No seco? “Cabeça a cabeça com um GT3”, nas palavras de Oppenheiser. É uma volta de 7min25s. Não importa como se avalie, derrotar o Turbo S e o GT-R nessa pista é um feito absolutamente incrível. Tiramos o chapéu para o Sr. Oppenheiser e sua equipe de engenheiros ratos de pista por terem conquistado – em minha visão, pelo menos – o inimaginável.

CHEVROLET CAMARO Z2, NISSAN GT-R TRACK EDITION E PORSCHE 911 TURBO S (FOTO: MOTOR TREND/NYT SYNDICATE)

Quem defende os carros mais lentos (rá!) podem levantar as seguintes questões. O 911 Turbo S usava pneus Pirelli P Zero, essencialmente um pneu de rua. Pneus Dunlop SportMaxx mais aderentes são opcionais, mas faltaram ao teste. E, é claro, o Turbo S é um carro GT de quase 200 mil dólares, não um GT3 puro sangue. Os fãs da Nissan perguntarão pelo GT-R 2015. Ou, melhor ainda, a versão Nismo de 600 cv. Pontos válidos. Mas, é claro, eu poderia acrescentar que Randy poderia ter rodado com o carro que não tivesse o compressor do ar-condicionado e apenas um alto-falante – são cerca de 25 kg a menos – e/ou baixado a calibragem dos pneus traseiros em mais alguns psi como queríamos.

Nas palavras que Mark Reuss, vice-presidente da GM e chefe de desenvolvimento de produtos, escreveu quando foi informado que o Z/28 derrotou os outros carros: “Toma!”
Compart

Por: Mundo MS Inc.

Navegue pela Data e encontre as Matérias em Ordem Cronológica.