Daft Punk





Daft Punk é uma dupla de música eletrônica composta pelos músicos franceses Guy-Manuel de Homem-Christo (nascido em 8 de fevereiro de 1974) e Thomas Bangalter (nascido em 3 de Janeiro de 1975).[1][2][3] Daft Punk alcançou popularidade significativa no final do movimento house dos anos 1990 na França e encontram sucesso contínuo nos anos seguintes, combinando elementos de house com synthpop.[1][2][4] A dupla também é creditada com canções produzidas que são consideradas essenciais na cena da French house. Eles tiveram como empresário de 1996 à 2008 por Pedro Winter (Busy P), o chefe daEd Banger Records.[5]
Inicialmente na carreira do grupo, os membros da banda foram fortemente influenciados por grupos como The Beach Boys e The Rolling Stones. Bangalter e de Homem-Christo originalmente eram de uma banda chamada Darlin', desmembrada após um curto período de tempo. A dupla se tornou Daft Punk, e lançaram o seu aclamado álbum de estréia,Homework em 1997. O lançamento de 2001, Discovery foi ainda mais bem sucedido, conduzido pelos club singles "One More Time", "Digital Love" e "Harder, Better, Faster, Stronger". Em março de 2005, a dupla lançou o álbum Human After All para críticas diversas. Entretanto, os singles "Robot Rock" e "Technologic" alcançar sucesso no Reino Unido. Daft Punk fez turnê em 2006 e 2007 e lançou o álbum ao vivo Alive 2007, que ganhou um prêmio Grammy por Melhor Álbum de Eletrônica/Dance. A dupla compôs a trilha para o filme Tron: O Legado e em 2010 lançaram o álbum da trilha sonora do filme.
Daft Punk é notado por seus shows ao vivo eleborados, em que os elementos e os efeitos visuais são incorporados com a música. O grupo também é conhecido por sua ênfase nos componentes visuais e história associados com suas produções musicais, bem como por vestirem seus trajes ornamentados de robô em público e enquanto estão em performance.

História

[editar]Primeiros anos (1987–1993)

Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem-Christo se encontraram em 1987 na Lycée Carnot, uma escola secundária em Paris.[3][6] Os dois se tornaram bons amigos e mais tarde acabou por conduzir à formação do grupo à base de guitarra chamado Darlin' com Laurent Brancowitz em 1992.[7] Bangalter e Homem-Christo tocavam baixo e guitarra, respectivamente, enquanto Brancowitz tocava bateria.[8] O trio de indie rock tinha marcas próprias após a canção de The Beach Boys com o mesmo nome, que eles faziam cover juntamente com uma composição original.[9] Stereolab lançou ambas as faixas em um EP multi-artista da Duophonic Records e convidou a banda para abrir shows no Reino Unido.[9][10] Bangalter considerou que "A coisa rock n' roll que fizemos foi proporcionalmente bonita, eu acho. Foi tão breve, talvez seis meses, quatro músicas e dois shows e foi isso".[11] Uma crítica negativa na Melody Maker posteriormente apelidou a música como "a bunch of daft punk" (um bando de punks bobos, em inglês). Em vez de dispensarem a crítica, Bangalter e de Homem-Christo acharam isso divertido.[6] Quanto a este último, declarou, "Lutamos tanto tempo para encontrar [o nome] Darlin', e isto aconteceu tão rápido".[12] Com Darlin' dissolvido, Brancowitz segue com outros esforços na banda Phoenix.[7] Bangalter e de Homem-Christo formaram Daft Punk e experimentaram máquinas de ritmos e sintetizadores.

[editar]Era Homework (1993–1999)

Em 1993, Daft Punk frequentou uma rave na EuroDisney, onde encontraram Stuart Macmillan do Slam, co-fundador da gravadora Soma Quality Recordings.[6] O demo dado a Macmillan na rave formou a base para o single de estreia de Daft Punk "The New Wave", uma edição limitada em 1994.[11] O single também continha a versão final de "The New Wave" chamada "Alive".
Daft Punk retornou ao estúdio para gravar em maio de 1995 "Da Funk". Tornou-se seu primeiro single bem sucedido comercialmente no mesmo ano. Após o sucesso de "Da Funk", Daft Punk visou encontrar um empresário. Eles não tinham dificuldades para encontrar um no momento em que escolheram Pedro Winter, que regularmente promoveu eles e outros artistas em suas boates.[8] A banda assinou com aVirgin Records em setembro de 1996 e fez um acordo através do qual eles licenciaram as suas faixas para a gravadora principal através da sua companhia de produção, Daft Trax.[3][8] Bangalter falou da decisão da dupla de assinar com a Virgin:
Muitas empresas discográficas nos ofereceram ofertas. Elas vieram de toda parte, mas decidimos esperar... em parte porque nós não queríamos perder o controle do que havíamos criado. Nós rejeitamos muitas empresas discográficas. Nós não estavamos interessados no dinheiro, então, rejeitamos gravadoras que estavam procurando por um controle maior do que estávamos dispostos a ceder. Na realidade, estamos mais como parceiros com a Virgin.[13]
No que diz respeito ao controle de criatividade e liberdade da dupla, Bangalter disse:
Nós temos muito mais controle do que dinheiro. Você não pode ter tudo. Vivemos em uma sociedade onde o dinheiro é o que as pessoas querem, então elas não podem ter o controle. Nós escolhemos. Controle é liberdade. As pessoas dizem que estamos malucos por controle, mas o controle é controlar o seu destino sem controlar outras pessoas. Não estamos tentando manipular outras pessoas, apenas controlando o que nós mesmos fazemos. Controlar o que fazemos é ser livre. As pessoas devem parar de pensar que um artista que controla o que ele faz é uma coisa ruim. Muitos artistas de hoje são apenas vítimas, não tendo controle, e não estão livres. E isso é patético. Se você começar sendo dependente do dinheiro, então o dinheiro tem que chegar a um ponto para se ajustar às suas despesas.[13]
"Da Funk" e "Alive" foram posteriormente incluídos no álbum de estreia Homework de 1997. O álbum foi considerado como uma síntese inovadora de technohouseacid house e estilos de electro, e é amplamente reconhecido como um dos mais influentes álbuns de dance music dos anos noventa. "Da Funk" também foi incluído na trilha sonora do filme The Saint. Foi durante este período de mudança na dance music que Daft Punk tornou-se amplamente bem sucedido. Eles combinaram os estilos musicais acima mencionados e elementos de rave music. O single mais bem sucedido de Homework foi "Around the World", que é conhecido por repetir o canto do título da canção. Daft Punk também produziu uma série de videoclipes para Homework, dirigidos por Spike JonzeMichel Gondry, Roman Coppola e Seb Janiak. A coleção de vídeos foi lançada em 1999 e intitulada D.A.F.T.: A Story About Dogs, Androids, Firemen and Tomatoes.

[editar]Era Discovery (1999–2004)

Em 1999, a dupla foi bem nas sessões para gravar seu segundo álbum, que tinha começado um ano antes.[14] O lançamento de Discoveryem 2001 trouxe um vigarista e distinto estilo synthpop, inicialmente chocando fãs dos trabalhos anteriores de Daft Punk em Homework. O grupo afirma que o álbum foi concebido como uma tentativa para reconectar com uma atitude divertida de mente aberta associada com a fase de descoberta de infância.[10] Isto explica o uso pesado de temas e samples do final dos anos 70 e início dos anos 80 no álbum. Chegou a 2ª posição no Reino Unido, e o single "One More Time" foi um grande sucesso e o principal hit, que quase fez top no UK Singles Chart. A canção é conhecida por ser muito auto-sintonizada e comprimida. A canção e o álbum criaram uma nova geração de fãs principalmente familiarizados com o segundo lançamento de Daft Punk. Os singles "Digital Love" e "Harder, Better, Faster, Stronger" foram também muito bem sucedidos nas paradas musicais no Reino Unido e nos Estados Unidos, e "Face to Face" atingiu a 1ª posição em paradas musicais nos EUA, apesar de uma edição limitada do single.[15] Um trecho de 45 minutos de uma performance da Daftendirektourgravada em Birmingham, Reino Unido em 1997 também foi lançada em 2001, intitulado Alive 1997.
2003 viu o lançamento do longa animado Interstella 5555: The 5tory of the 5ecret 5tar 5ystem. Daft Punk produziu o filme sob a supervisão de Leiji Matsumoto, quem eles haviam dito ser seu herói de infância.[16] O álbum Daft Club também foi lançado para promover o filme. Este apresenta uma coleção de remixes anteriormente disponibilizados através de um serviço de membro online com o mesmo nome.

[editar]Era Human After All (2004–2008)

Começando em 13 de setembro e terminando em 9 de novembro de 2004, Daft Punk dedicou seis semanas para a criação do novo material.[17] A dupla lançou o álbum Human After All em março de 2005. Críticas variaram, principalmente citando ser excessivamente repetitivo e a aparente gravação apressada. Os singles deste álbum são: "Robot Rock", "Technologic", "Human After All" e "The Prime Time of Your Life". A primeira declaração oficial de Daft Punk relativa ao álbum foi "acreditamos que Human After All fala por si".
Um CD/DVD de antologia de Daft Punk intitulado Musique Vol. 1 1993-2005 foi lançado em 4 de abril de 2006 nos Estados Unidos. Este contêm novos videoclipes de "The Prime Time of Your Life" e "Robot Rock (Maximum Overdrive)". Daft Punk também lançou um álbum de remix de Human After All chamado Human After All: Remixes. Uma edição limitada incluía dois kubricks de Daft Punk como robôs.
Em 21 de maio de 2006, Daft Punk estreou seu primeiro filme dirigido, Daft Punk's Electroma no Festival de Cannes.[18] O filme não inclui a sua própria música, que é a primeira vez para a dupla considerando seu DVD e filme anteriormente lançados (D.A.F.T. para Homework eInterstella 5555 para Discovery). Midnight screenings do filme foram mostrados em teatros de Paris a partir do final de março de 2007.[19] O público inicial comentou positivamente o filme.[20]
Daft Punk lançou seu segundo álbum ao vivo intitulado Alive 2007 em 19 de novembro de 2007. Este contém a performance da dupla em Paris da sua turnê Alive 2007. O álbum inclui um livro de 50 páginas apresentando fotografias tiradas durante a turnê.[21] A versão ao vivo de "Harder, Better, Faster, Stronger" do álbum Alive 2007 foi lançado como um single.[22] Um videoclipe para o single dirigido por Olivier Gondry apresenta filmagens tiradas por 250 espectadores aparecendo no Keyspan Park, Coney Island.[23]

[editar]Projetos recentes (2008–presente)

Após a turnê Alive 2007, Daft Punk focou em outros projetos. Uma entrevista de 2008 com Pedro Winter revelou que a dupla retornou ao seu estúdio em Paris para trabalhar no novo material. Winter também deixou de ser empresário de Daft Punk para centrar a atenção na sua gravadora Ed Banger Records e seu trabalho como Busy P.[24] Ele declarou mais tarde em uma entrevista que a dupla está trabalhando com uma empresa administrativa não especificada em Los Angeles.[5] Em 2008, Daft Punk ficou na 38ª posição em uma votação oficial mundial da DJ Magazine, após estrear na 71ª posição em 2007.[25] Em 8 de fevereiro de 2009, Daft Punk ganhou dois Grammys com Alive 2007 e seu single "Harder, Better, Faster, Stronger".
Daft Punk em DJ Hero
Daft Punk forneceu onze novos mixes apresentando sua música para o videogame DJ Hero. Eles também aparecerem no jogo como personagens jogáveis, junto com seu próprio cenário. A dupla aparece vestindo seus capacetes da era Discovery e trajes de couro da era Human After All. As aparências jogáveis de Daft Punk estão ausentes da sequência DJ Hero 2, que inclui uma versão remixada de sua canção "Human After All".
Na San Diego Comic-Con em 2009, foi anunciado que a dupla compôs 24 faixas para o filme Tron: Legacy.[26] A trilha de Daft Punk foi harmonizada e orquestrada por Joseph Trapanese.[27] A banda colaborou com ele durante dois anos na trilha, da pré-produção até o acabamento. A trilha apresenta uma orquestra de 85 pessoas, gravada no AIR Lyndhurst Studios em Londres.[28]Joseph Kosinski, diretor de Tron: Legacy, se refere a trilha como uma mistura de elementos eletrônicos e orquestrais.[29] Daft Punk também fez uma participação especial como programas de disc jockey vestindo sua marca registrada, o disfarce de robô dentro do mundo virtual do filme. A coadjuvante de Tron: LegacyOlivia Wilde afirmou que a dupla pode ser envolvida com futuros eventos promocionais relacionado ao filme.[26][30] Um teaser trailer mostra Daft Punk e sua faixa "Derezzed" de Tron: Legacy.[31] O álbum da trilha sonora do filme foi lançado em 6 de dezembro de 2010.[32] Uma edição deluxe com 2 discos do álbum também foi lançada incluindo um pôster da dupla no filme. Faixas bônus adicionais também estão disponíveis através de vários vendedores online. Um videoclipe oficial de "Derezzed" também estreou na MTV Networks no mesmo dia em que o álbum foi lançado.[33] Mais tarde, o vídeo foi disponibilizado à compra na iTunes Store. A Walt Disney Records lançou um álbum de remix da trilha intitulado Tron: Legacy Reconfigured em 5 de abril de 2011.[34]
Em 2010, Daft Punk foi admitido na Ordre des Arts et des Lettres, uma condecoração da França. Bangalter e de Homem-Christo foram individualmente condecorados na classe Chevalier (cavaleiro).[35]

[editar]Influências

Bangalter e de Homem-Christo disseram que muitas fontes influenciaram seu estilo musical. Anos antes de produzirem música eletrônicacomo uma dupla, afirmaram que têm compartilhado gostos de Elton JohnMC5The Rolling StonesThe Beach Boys e The Stooges.[7][36] A sua admiração em comum por bandas de rock levou à fundação de seu projeto independente próprio, Darlin'. Bangalter afirmou que "Foi talvez mais uma coisa adolescente naquela ocasião. É como, você sabe, todos querem estar em uma banda."[11] Eles extraíram a inspiração do rock e acid house no Reino Unido durante o início da década de 90. De Homem-Christo apontou Screamadelica de Primal Scream como um trabalho influente, como a gravação "colocar tudo em conjunto", em termos do gênero.[4]
As notas do álbum Homework homenageiam um grande número de artistas musicais e contém uma citação de Brian Wilson. Bangalter afirmou que "Na música de Brian Wilson você podia realmente sentir a beleza - era muito espiritual. Tal como Bob Marley, também".[11]Quando questionado sobre o sucesso do álbum de estreia de Daft Punk e a crescente popularidade de seus gêneros musicais relacionados, Bangalter respondeu, "antes de nós, você tinha Frankie Knuckles ou Juan Atkins e assim por diante. O mínimo que você pode fazer é respeitar aqueles que não são conhecidos e que têm influenciado pessoas".[11] A faixa de Daft Punk "Teachers" em Homework refere-se a várias influências incluindo Romanthony e Todd Edwards. De Homem-Christo declarou que "Sua música teve um grande efeito sobre nós. O som de suas produções — a compressão, o som da bateria e a voz de Romanthony, da emoção e da alma — é parte de como tocamos hoje".[10]
Romanthony e Edwards mais tarde colaboraram com Daft Punk em faixas para Discovery. Para o álbum, Daft Punk focalizou em novos estilos de música eletrônica. Uma grande inspiração foi o single "Windowlicker" de Aphex Twin, que foi "nem uma faixa puramente club music, nem uma muito chill-out, faixa de relaxamento down-tempo", segundo Bangalter.[14] A dupla também utilizou equipamento retro para recriar o som de um artista anterior. Como afirmado por de Homem-Christo, em 'Digital Love' você recebe esta vibração de Supertramp", que foi gerada através de um piano Wurlitzer de estúdio.[37] Durante uma entrevista posterior, de Homem-Christo esclareceu que "não fizemos uma lista de artistas que gostamos e copiamos suas músicas".[38]
Em outra entrevista, Bangalter mencionou Andy Warhol como uma das primeiras influências artísticas de Daft Punk.[39]

[editar]Componentes visuais e imagem

Daft Punk é notado pelo uso de componentes visuais associados com as suas produções musicais. Os videoclipes para os singles deHomework caracterizaram personagens memoráveis e colocaram ênfase na história em vez de performance musical. O álbum Discoveryposteriormente se tornou a trilha sonora para Interstella 5555.
O visual da dupla também tem mudado ao longo do tempo. Durante os anos de Homework, a dupla normalmente usava máscaras para esconder sua aparência.[11] Quando não usando disfarces, eles ocasionalmente preferiam ser substituídos por animação (em que apareceu no DVD The Work of Director Michel Gondry) ou ter seus rostos digitalmente escurecidos por press kits. Poucas fotos oficiais dos rostos da dupla existem, incluindo uma embaçada, encontrada nas notas do álbum Homework.
Em seus anos mais visíveis de Discovery, eles têm aparecido como robôs futuristas para fotos de publicidade, entrevistas, shows ao vivo e videoclipes. Estes trajes, projetados por Tony Gardner e Alterian, Inc., ostenta capacetes complexos capazes de diversos efeitos de LED e luvas metálicas.[40] Daft Punk introduziu o traje para muitos telespectadores dos EUA através de uma propaganda para uma apresentação especial de seus vídeos no bloco Toonami do Cartoon Network.[41] Thomas Bangalter uma vez declarou, "Nós não optamos em tornarmos robôs. Houve um acidente em nosso estúdio. Estávamos trabalhando em nosso sampler, e exatamente às 9:09 do dia 9 de setembro de 1999, ele explodiu. Quando recuperamos a consciência, descobrimos que havíamos nos tornado robôs".[10]
Daft Punk havia dito que eles puseram seus disfarces de robôs para facilmente fundir as características dos seres humanos e máquinas.[42]No entanto, Bangalter mais tarde afirmou que os trajes foram inicialmente o resultado da timidez. "Mas isso se tornou emocionante do ponto de vista do público. É a ideia de ser um sujeito comum com algum tipo de superpoder".[4] Quando questionado se a dupla expressou-se diferentemente dentro dos trajes robóticos, Bangalter declarou "Não, nós não precisamos disso. Não é sobre ter inibições. É mais como uma versão avançada do glam, onde não é definitivamente você".[4] Com o lançamento de Human After All, as roupas da dupla ficaram um pouco menos complexas por consistirem de macacões de couro escuro e simplificou versões dos capacetes de Discovery. Os macacões foram desenhados por Hedi Slimane.[4]
Segundo Bangalter, a dupla tem uma "regra geral sobre não aparecer em vídeos". Embora a dupla raramente conceda entrevistas, Bangalter é citado como sendo o mais tagarela e teimoso. Em relação à fama e ao estrelato, ele disse:
Nós não acreditamos no sistema de estrelas. Queremos que o foco seja na música. Se tivermos que criar uma imagem, ela deve ser uma imagem artificial. Essa combinação esconde nossa fisicalidade e mostra também o nosso ponto de vista sobre o sistema de estrelas. Não é um compromisso.[43]
Estamos tentando separar o lado privado e o lado público. Só que nós estamos um pouco embaraçados pela coisa toda. Não queremos brincar desta coisa de sistema de estrelas. Não queremos ser reconhecidos nas ruas. Todos tem nos aceitado usando máscaras em fotos até agora, o que nos faz felizes. Algumas vezes as pessoas são um pouco decepcionadas, mas essa é a única maneira que queremos fazer. Achamos que a música é a coisa mais pessoal que podemos dar. O resto é apenas sobre as pessoas tendo elas mesmas a sério, o que é tudo muito chato às vezes.[11]
Na mesma entrevista, ele também foi questionado se o estrelato pode ser evitado.
Sim. Eu acho que as pessoas compreendem o que estamos fazendo. Eu conheço muitas pessoas que talvez gostem do jeito como estamos tratando as coisas. As pessoas entendem que você não precisa estar nas capas de revistas com a sua cara para fazer boa música. Os pintores e outros artistas, você não os conhece, mas você sabe o que eles estão fazendo. Estamos muito felizes que a ideia em si está se tornando famosa. Na França, você fala de Daft Punk e eu tenho certeza que milhões de pessoas já ouviram falar, mas menos que algumas milhares de pessoas conhecem nossa cara - que é a coisa em que estamos. Nós controlamos isso, mas não é fisicamente nós, as nossas pessoas. Não queremos fugir de pessoas que são da mesma idade que nós, agitando a mão e dizendo, 'Posso ter o seu autógrafo?' porque pensamos que somos exatamente como elas. Mesmo as garotas, elas podem cair de amor com sua música, mas não com você. Você nem sempre compromete-se a ser famoso. A brincadeira com máscaras é apenas para tornar mais engraçado. Não queremos todas as poses e atitudes dorock n' roll - elas são completamente estúpidas e ridículas hoje.[11]
Durante a filmagem e desenvolvimento de Daft Punk's Electroma, a dupla deslocou o filme para evitar mostrar seus rostos. Durante o set do filme, a dupla escolheu ser entrevistada com as costas viradas. Conforme transmitido em outubro de 2006, a banda foi tão longe que usou um pano preto sobre as suas cabeças durante uma entrevista televisiva.[44]
Acredita-se que o mistério das identidades e a natureza elaborada dos seus disfarces foram acrescentadas às suas popularidades.[4] O status icônico do figurino robótico foi comparado com a maquiagem do KISS e com a jaqueta de couro usada por Iggy Pop.[45] Bangalter afirmou, "A máscara fica muito quente, mas depois de usá-lá durante tanto tempo, estou habituado a isso".[45] Ele também afirmou:
Nunca gostamos de fazer a mesma coisa duas vezes. É mais divertido e interessante para nós fazer algo diferente, se é usando máscaras ou desenvolvendo uma personalidade que mistura ficção e realidade. Estamos felizes em devolver as massas.[10]

[editar]Performances ao vivo

Na metade da década de noventa, Daft Punk realizou shows ao vivo sem os trajes em muitos lugares, incluindo os Estados Unidos. Em 1996, a dupla se apresentou em um evento da Even Furthur emWisconsin, a sua primeira performance em público nos EUA.[46] Além dessas performances originais ao vivo, eles realizaram uma série de vezes em vários clubes utilizando discos de vinil da sua coleção. Eles eram conhecidos por incorporar diversos estilos de música em seus aparelhos de DJ.
No Outono de 1997, fizeram a turnê Daftendirektour para promover Homework em várias cidades em todo o mundo. Para esta turnê, Daft Punk optou por utilizar seu equipamento de estúdio caseiro para os shows ao vivo.[11] Conforme Bangalter declarou, "Tudo estava sincronizado — as máquinas de ritmos, as linhas do baixo. O sequenciador apenas enviava os tempos e controlava as batidas e compassos. No topo desta estrutura, construímos todas estas camadas de samples e diversas partes que poderíamos nos conduzir sempre que quiséssemos".[10] Em 25 de maio de 1997, eles foram vistos em performance no festival Tribal Gathering em Luton Hoo, Inglaterra, estrelando com Orbital e Kraftwerk.[47] Também digno de nota a performance em 8 de novembro em Birmingham, Reino Unido, da qual veio a gravação de Alive 1997.
No início de 2006, Daft Punk anunciou planos para uma série de shows de verão especial. Em 29 de abril, Daft Punk realizou uma performance no Coachella Valley Music and Arts Festival, onde recebeu uma recepção eufórica para a sua primeira performance nos EUA desde 1997.[48] Thomas Bangalter inicialmente disse que haveria um DVD para a sua recente performance ao vivo.[49] Mais tarde, ele enfatizou sua relutância para tal lançamento, como a dupla sentiu que em vídeos amadores de suas performances foram mais convincentes do que qualquer coisa capturada profissionalmente.[50] Em uma entrevista ao jornal Miami Herald, Guy-Manuel de Homem-Christo declarou que a sua aparição em 11 de novembro no Bang Music Festival foi o seu fim para 2006 e que Daft Punk conduziria mais performances no futuro.[38] A banda depois especificou uma data para um show ao vivo em Bercy, Paris para junho de 2007.[51] Também foram relatadas as datas no Wireless Festival e RockNess em junho, o festival de Oxegen em julho e Lollapalooza em agosto.[52][53][54][55] Daft Punk, em seguida, anunciou uma turnê mundial chamada Alive 2007.[51]
Daft Punk tocou no Festival RockNess nas margens do Lago Ness, na Escócia em 10 de junho de 2007, com capacidade para 10.000 pessoas. Para o descontentamento das multidões, o show foi adiado, mas a multidão deu a dupla uma alegre boa vinda quando eles apareceram. Devido à popularidade, parte do pavilhão foi removido para permitir que milhares de pessoas de fora vissem o show.[56] Em 16 de junho de 2007, Daft Punk estrelou com sucesso o terceiro dia do O2 Wireless Festival para reação positiva e críticas. The Timesdescreveu o conjunto como um "memorável espetáculo sensitivo, tanto deslumbrante e ensurdecedor" e o ThisisLondon declarou como "um quase impecável conjunto de euforia eletro implacável".[57][58]
Daft Punk estrelou o Stage 2/NME Stage no festival de música de Oxegen em 8 de julho de 2007. Seu set ao vivo foi precedido por uma exibição do trailer para o Daft Punk's Electroma. Relatos subsequentes declaram que a aparição de Daft Punk foi o destaque do festival.NME escreveu que a performance foi "um espetáculo robótico", enquanto Shoutmouth descreveu o conjunto como "tipicamente triunfante".[59][60] Quatro dias depois, a dupla tocou no Traffic Torino Free Festival em Parco della Pellerina em Turim, Itália.[61]
Daft Punk estrelou o estágio da AT&T em 3 de agosto de 2007, a primeira noite do festival musical Lollapalooza em Chicago. Seu show lá foi elogiado pela Pitchfork Media declarando que a experiência de assistir a performance "foi uma lembrança muito necessária de calma convincente de pop comunicativo".[62] Em 5 de agosto eles realizaram performance no International Centre em Toronto seguido por uma performance em 9 de agosto no KeySpan Park no BrooklynNova Iorque.[23]
Daft Punk compôs a música para o Louis Vuitton Spring/Summer 2008 Womenswear Full Show em 7 de outubro de 2007.[63] A dupla também estrelou o festival de Vegoose em Las Vegas em 27 de outubro. Eles apareceram no festival juntos com as bandas Rage Against the MachineMuse e Queens of the Stone Age.[51] No fim do mês, Daft Punk realizou performance na Cidade do México.[64] A dupla também realizou performance em 2 de novembro de 2007, sexta-feira na Arena Monterrey em Monterrey, México e Guadalajara.[65]
Cena de encerramento da performance de Daft Punk em Sydney em 2007
A Modular anunciou que Daft Punk apareceria na Austrália para um evento em dezembro de 2007 chamado Never Ever Land.[66] O anúncio abordou anos de especulação sobre se Daft Punk visitaria a Austrália para performances ao vivo. Daft Punk foi apoiado por suas ações regulares SebastiAn e Kavinsky nas aparições, as quais tinham sido anunciadas como uma extensão para a turnê Alive 2007.[51] Never Ever Land fez turnê para Melbourne noSidney Myer Music Bowl, Perth no Esplanade, Brisbane no Riverstage e finalmente em Sydney no Sydney Showground Main Arena.[67] Uma entrevista de Triple J com Pedro Winter (Busy P) revelou que a aparição de Daft Punk em Sydney em 22 de dezembro seria o show final deles para 2007 e o último para apresentar o esquema de luz da pirâmide.[68] Os ingressos para a turnê australiana venderam mais rápido do que para qualquer evento relacionado a Daft Punk na sua história.[69] A dupla declarou em um webchat ao vivo patrocinado pelaEMI que não haveria nenhuma turnê para 2008 e que eles iriam, em vez disso, focar em novos projetos.[70]
Daft Punk fez uma aparição surpresa no 50º Grammy Awards em 10 de fevereiro de 2008. A dupla apareceu com Kanye West para apresentar uma versão retrabalhada de "Stronger" no ginásio do Staples Center em Los Angeles.[71] Para a aparição, Daft Punk utilizou quatro controladores JazzMutant Lemur.[72] Um comunicado à imprensa especificou que esta foi a primeira performance ao vivo televisiva da dupla em sua carreira.[71] A esposa de Bangalter, Élodie Bouchez também compareceu no evento.[73]
Em fevereiro de 2009, um website declarou que uma turnê "oculta" foi definida para 2009. Em um evento para 13 de fevereiro de 2009 em Xangai, China foi mencionada neste website. Isto foi mais tarde revelado que se tratava de uma fraude não afiliada com Daft Punk e um golpe para vender ingressos para um evento inexistente.[74][75] Representantes da banda anunciaram que Daft Punk não tem planos para 2009, mas declararam que a dupla está ansiosa para se apresentar na China durante sua próxima turnê "em 2010 ou 2011".[76] O anúncio também declarou que todos os shows de Daft Punk são e serão postados na sua página oficial no MySpace, e que a página pode, portanto, ser usada para verificar a validez.[76] Em setembro de 2010, a The Daily Swarm relatou que a dupla ia se apresentar em sets ao vivo em grande cidades para promover o filme Tron: Legacy.[77]
Daft Punk fez uma aparição surpresa durante o bis do show de 20 de outubro de 2010 do Phoenix no Madison Square Garden na cidade deNova Iorque. Eles tocaram uma mistura de "Harder, Better, Faster, Stronger" e "Around the World" antes de serem sucedidos pela canção "1901" do Phoenix. A dupla também incluiu elementos de suas faixas "Rock'n Roll", "Human After All", assim como uma dos projetos secundários de Bangalter, "Together".[78]

[editar]Aparições na mídia e tributos

Participação especial de Daft Punk emInterstella 5555
A popularidade de Daft Punk foi parcialmente atribuída à suas aparições na mídia mainstream.[4]A dupla apareceu com Juliette Lewis numa propaganda para The Gap, apresentando o single "Digital Love", e foram contratualmente obrigados a aparecerem apenas em roupas da Gap. No verão de 2001, Daft Punk apareceu numa propaganda na grade de programação do Toonami no Cartoon Network, promovendo o webiste oficial do Toonami e os videoclipes animados da dupla para o seu álbum Discovery.[41] Os videoclipes mais tarde apareceram como cenas no filme longa-metragem Interstella 5555: The 5tory of the 5ecret 5tar 5ystem, na qual Daft Punk faz uma participação especial com seus alter egos robóticos. A dupla, mais tarde, apareceu numa propaganda televisiva vestindo seu capacete da era Discovery para promover o telefone celular Premini da Sony Ericsson. Seus trajes robóticos também fizeram uma aparição na seção "Masterclass" no DVD From Major to Minor de Gonzales. Em 2010, Daft Punk apareceu em propagandas da Adidas promovendo uma linha de roupas com o tema de Star Wars.
A dupla também foi reconhecida em trabalhos para outros artistas. "Losing My Edge", o primeiro single de LCD Soundsystem, vangloriou-se por ser o primeiro a "tocar Daft Punk às crianças do rock." LCD Soundsystem também gravou a canção "Daft Punk Is Playing at My House", na qual atingiu a 29ª posição no Reino Unidos e foi indicada ao Grammy Award por Melhor Gravação Dance de 2006. O remix de Soulwaxpara a canção também contêm samples de muitas faixas de Daft Punk, assim como faixas de Thomas Bangalter. A canção "Number 1 Girl" do projeto musical holandês Le Le menciona o nome Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem-Christo entre outos produtores e artistas. No episódio "Sally" do programa Flight of the Conchords, um videoclipe da canção "Robots" de Flight of the Conchords é fotografado com trajes caseiros de robôs confeccionados pelo empresário da banda, Murray. Jemaine comenta, "Não se parece com Daft Punk. Nós queríamos iguais os do Daft Punk.
Um série de faixas de Daft Punk foram sampleadas ou foram regravadas por outros artistas. "Technologic" foi sampleada por Swizz Beatzpara a canção "Touch It" de Busta Rhymes. Em um remix posterior de "Touch It", o verso touch it, bring it, pay it, watch it, turn it, leave it, start, format it de "Technologic" foi cantado pelo artista de R&B e rap Missy Elliott. A canção "Stronger" de 2007 de Kanye West do álbumGraduation apresenta um sample vocal de "Harder, Better, Faster, Stronger" de Daft Punk. O traje robótico de Daft Punk fez uma aparição no videoclipe de "Stronger".[22] A faixa "Daftendirekt" do álbum Homework de Daft Punk foi sampleada pela canção "So Much Betta" de Janet Jackson do álbum Discipline de 2008.[79] A faixa "Aerodynamic" foi sampleada para o single de 2008 "Summertime" de Wiley.[80] "Veridis Quo" do álbum Discovery foi sampleado para a canção "Dream Big" de Jazmine Sullivan de seu álbum de 2008 Fearless.[81] Os DJs Marc Mysterio e Téo Moss lançaram uma versão cover de "One More Time" apresentando os vocais de Yardi Don.[82] "Around the World" de Daft Punk foi sampleado para a canção de 2009 "You Take Me (Around the World)" de JoJo. A canção "Cowboy George" do The Fall contém um clipe de "Harder, Better, Faster, Stronger".[83]
Daft Punk também produziu música para outros artistas. Eles produziram o single de estreia de Teriyaki Boyz, "HeartBreaker" do álbumBeef or Chicken?. A canção contém um sample de "Human After All". Daft Punk mais tarde produziu a canção "Hypnotize U" deN.E.R.D.[84] Daft Punk também apareceu na capa da edição de dezembro de 2010 da publicação britânica Dazed & Confused para promover o filme Tron: Legacy, para o qual a dupla compôs a trilha. Eles também fizeram uma participação especial dentro do filme como DJs disfarçados no clube noturno.

[editar]Discografia

[editar]Grammy Awards

Os Grammy Awards são premiados anualmente pela National Academy of Recording Arts and Sciences dos Estados Unidos. Daft Punk recebeu sete indicações e dois prêmios.
Compart

Por: Multimidia Info

Navegue pela Data e encontre as Matérias em Ordem Cronológica.